A importância da Previsão Orçamentária em Condomínios

A importância da Previsão Orçamentária em Condomínios

Entenda melhor sobre previsão orçamentária, a importância dela e como obter uma previsão de qualidade

A previsão orçamentária é exigida pela Lei do Condomínio. Ela deve ser apresentada pelo síndico e conselho fiscal à assembleia geral ao menos uma vez por ano, obrigatoriamente. Podendo ser realizada no final do ano ou no início do ano vigente (de janeiro a março). Sendo assim, devido a importância, trouxemos neste texto algumas informações importantes sobre a previsão orçamentária.

O que é Previsão Orçamentária?

A previsão orçamentária é um relatório anual onde devem ser apresentadas aos condôminos as despesas e receitas esperadas para o próximo ano. Assim, é possível se organizar e planejar futuras ações, cortar despesas desnecessárias, verificar caixa disponível para obras e pensar em meios de aumentar a receita.

Qual a importância da previsão orçamentária em condomínios?

Como você já sabe, a previsão orçamentária se trata de uma forma de organizar os gastos futuros do condomínio e planejar as atitudes financeiras futuras nele. Este documento tem o potencial de responder perguntas importantes para o planejamento do local, tais como:

  • O condomínio terá dinheiro para realizar obras futuras?
  • Será necessária a revisão de certos contratos estabelecidos com terceiros?
  • Quais despesas podem ser cortadas?
  • Quais são as oportunidades para aumentar a receita?
  • Qual a comparação entre a previsão daquele ano e a do ano passado?

Se o relatório for feito cuidadosamente e com detalhes, estas indagações podem ser respondidas de forma satisfatória, de maneira que criarão caminhos e oportunidades para melhorias consideráveis na gestão do condomínio e para o bem-estar dos moradores. Sendo o principal motivo para isso, a estabilidade de gestão que é gerada pela organização e transparência dos processos internos do local. 

A previsão orçamentária também é eficiente para montar uma linha do tempo e analisar qual a evolução anual das contas do condomínio. Estes dados também podem ser fonte importante de argumentos na hora de reajustar as taxas exercidas, dando uma base concreta e credível para os moradores do porquê da necessidade de reajustes, chegando a uma solução razoável para ambas as partes.

Como o valor é calculado?

A previsão orçamentária se dirige para um levantamento de gastos e ganhos futuros, então todos os pontos que serão calculados tem como base serem projetados para o ano seguinte. A primeira coisa a ser levantada é a receita que o condomínio traz, ou seja, tudo o que ele ganha. Nessa conta você poderá acrescentar as taxas de condomínio, do aluguel de espaços comuns (como churrasqueira e salão de festas) e outras eventuais fontes de renda. Se quiser, você pode usar como base a previsão do ano anterior para agilizar o processo, já que em condomínios, normalmente, a receita varia muito pouco de um ano para o outro.

Depois disso, você deverá contabilizar todas as despesas, sendo elas despesas fixas, como contas de luz, água, gás e prestadores de serviços. Este levantamento te dará visibilidade de quais despesas vêm aumentando com os anos e devem ser repensadas. Além das despesas fixas, o gestor deverá contabilizar as melhorias que serão executadas no condomínio, elas podem não ser tão fáceis de se prever para o ano seguinte como as despesas fixas, contudo, tem algumas ações que podem ser pensadas, planejadas, como uma pintura ou reforma.

Depois de calcular os ganhos e gastos, deve-se olhar para a inflação. Assim como em qualquer outro modelo de gestão, ela precisará ser analisada e seu valor deverá ser contabilizado no próximo ano do condomínio. Ela implica principalmente em reajustes que precisarão ser feitos com despesas trabalhistas, contas e materiais para o condomínio. Além dos reajustes que serão feitos graças a inflação, deve-se também avaliar os reajustes que serão aplicados em contratos de um ano para o outro, isso significa que contratos com terceiros, com funcionários e de serviços periódicos devem ser avaliados para entender no que eles impactarão nas despesas do condomínio e se vale ou não a pena renegociar ou procurar um novo fornecedor.

A inadimplência precisará ser avaliada também, isso faz parte da rotina de um gerente de condomínio, já que muitos moradores podem ter problemas financeiros, por isso mesmo que a inadimplência deve ser contabilizada em seu balanço, ou seja, é necessário que se puxe, baseado nos anos anteriores, o número médio de pessoas que não pagaram o condomínio e outras taxas para se descontar de sua previsão de ganhos para o próximo ano. 

O último mas não menos importante ponto a ser colocado nesta equação é a reserva. Ela é muito importante porque, como quase tudo na vida, coisas inesperadas podem acontecer e é importante que o condomínio saiba lidar com elas de forma competente, causando o menor malefício possível para o condomínio e seus moradores, sendo assim, é fundamental que o condomínio planeje fazer uma reserva monetária para o ano seguinte.

Esperamos que esse texto tenha te ajudado. Se precisar de auxílio ou alguém que realize as tarefas, venha conhecer o Grupo Veralana e saiba mais sobre nossos serviços terceirizados para condomínios!

About the author

Dani Midia:

0 Comments

Would you like to share your thoughts?

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Deixe uma resposta